home notícias

POLÊMICA - Tribunal Superior Eleitoral reduz transparência sobre bens de candidatos

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) promoveu mudanças no sistema de registro de candidaturas na eleição deste ano, restringindo a transparência em relação ao patrimônio dos candidatos. Nas disputas anteriores, os políticos tinham que listar seus bens de forma detalhada, com tipo, descrição e valor.

Ao declarar a posse de um apartamento, por exemplo, normalmente eram descritos o endereço, tamanho e outras características. Agora é informado ao eleitor apenas que o candidato tem um apartamento e o seu valor, sem indicação de endereço, cidade, estado ou tamanho.

Um dos primeiros a registrar sua candidatura à Presidência, o tucano Geraldo Alckmin enfrentou problemas ao listar seus bens, de acordo com o coordenador jurídico da campanha, Ricardo Penteado.

"O Alckmin tem umas poucas cabeças de gado e quando foram preencher a declaração não havia espaço para esse tipo de bem. Tiveram que colocar o gado como 'outros bens móveis'", afirmou.

O pouco nível de detalhamento do novo sistema do TSE não permite ao eleitor, por exemplo, saber se o apartamento declarado agora pelo candidato é o mesmo que ele tinha em eleições passadas ou um outro.

A mudança de sistema do TSE ocorreu após audiências públicas com a participação de representantes dos partidos políticos. Também é impossível saber os nomes de empresas que pertencem aos candidatos e os bancos em que cada um tem investimentos. Procurado, o TSE não informou até a publicação deste texto qual a razão da mudança nem quem a aprovou.

Até a noite desta quarta-feira (8), 4 dos 13 concorrentes a presidente haviam registrado suas candidaturas e informado seus bens ?Cabo Daciolo (Patriota), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL) e Vera (PSTU). O prazo final para esse registro é o dia 15.

Daciolo não declarou nenhum bem. Alckmin disse ter R$1,4 milhão em bens. Boulos declarou apenas um veículo no valor de R$ 15,4 mil. Vera apresentou apenas um terreno de R$ 20 mil em sua declaração. Os candidatos a vice também apresentaram suas declarações de bens. 

Ana Amélia (PP), vice de Alckmin, declarou R$ 5,1 milhões; Hertz (PSTU), vice de Vera, declarou apartamento de R$ 100 mil; a Professora Suelene Balduino (Patriota), vice de Daciolo, declarou um total de bens de R$ 202 mil; e Sonia Guajajara (PSOL), vice de Boulos, disse ter apenas uma caderneta de poupança no valor de R$ 11 mil.

 

Fonte:ND

OUTRAS NOTÍCIAS

18/02/2019
Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta
A partir desta quarta-feira (20), o governo enfrentará o primeiro grande desafio na área econômica. A proposta de emenda à Constituição (PEC) que reforma o regime de Previdência dos trabalhadores dos setores público e privado será enviada ao Congresso Nacional, onde começará a tramitar na Câmara dos Deputados. Logo depois de assinar o texto, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento. Ele explicará a necessidade de mudar as regras de aposentadoria e de que forma a proposta será discutida no Congresso. Na última quinta-feira (14), o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, adiantou alguns detalhes do texto, fechado em reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e os ministros da Economia, Paulo Guedes, da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz. Os pontos revelados até agora são a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com um cronograma de transição de 12 anos para quem está próximo dessas idades. O acordo foi resultado de uma negociação entre a equipe econômica e o presidente Bolsonaro. Originalmente, a equipe econômica tinha pedido idade mínima unificada de 65 anos para homens e mulheres, para os trabalhadores dos setores público e privado. O presidente gostaria de uma idade mínima de 65 anos para homens e 60 para mulheres. A área econômica defendia dez anos de transição, o presidente pedia 20 anos.   Fonte:Agência Brasil
SABER MAIS
18/02/2019
Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
Por recomendação da Agência Nacional de Mineração (ANM), o Ministério de Minas e Energia (MME) definiu uma série de medidas de precaução de acidentes nas cerca de mil barragens existentes no país, começando neste ano e prosseguindo até 2021. A medida inclui a extinção ou descaracterização das barragens chamadas "a montante" até 15 de agosto de 2021. A resolução está publicada, na seção 1, página 58, no Diário Oficial da União. “Essa resolução estabelece medidas regulatórias cautelares, objetivando assegurar a estabilidade de barragens de mineração, notadamente aquelas construídas ou alteadas pelo método denominado "a montante" ou por método declarado como desconhecido”, diz o texto. Em três meses, a diretoria colegiada da agência vai avaliar a execução das medidas.“A Diretoria Colegiada da ANM, até 1º de maio de 2019, reavaliará as medidas regulatórias cautelares objeto desta resolução e, se for o caso, fará as adequações cabíveis considerando, dentre outras informações e dados, as contribuições e sugestões apresentadas na consulta pública.” Riscos Há 84 barragens no modelo denominado a montante em funcionamento no país, das quais 43 são classificadas de "alto dano potencial": quando há risco de rompimento com ameaça a vidas e prejuízos econômicos e ambientais. Porém, no total são 218 barragens classificadas como de “alto dano potencial associado”. Pela resolução, as empresas responsáveis por barragens de mineração estão proibidas de construir ou manter obras nas chamadas Zonas de Autossalvamento (ZAS). A resolução é publicada menos de um mês depois da tragédia de Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte (MG), na qual 169 pessoas morreram e ainda há 141 desaparecidos com o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão.       Fonte:Agência Brasil
SABER MAIS

Peça sua Música

Por favor preencha todos os campos

Contato enviado com sucesso

Top